Otoplastia

As orelhas tem a sua forma característica, apresentando dobras e reentrâncias que auxiliam na sua principal função de localizar a origem dos sons. È formada por um tecido cartilaginoso recoberto por uma pele frouxa e pouco tecido adiposo, sendo pouco notadas quando apresentam uma anatomia dentro da “normalidade”.


  A orelha em abano é sua principal deformidade, sendo causada pela falta de uma dobra denominada anti-hélix e/ou a presença de uma região da orelha chamada “concha” aumentada, fazendo com que a orelha fique aberta, projetada para frente, tornando-a proeminente. Usualmente o tamanho não chama atenção como deformidade, a não ser os casos de diferença significativa entre um lado e outro. 


 A orelha em abano é mais notada quando as crianças vão ao colégio, por volta de 5 a 7 anos de idade, quando começam ser discriminadas pelos colegas sendo vítimas de apelidos e brincadeiras, o que gera grande queda da auto-estima. As crianças tendem a se retrair, as meninas deixam de prender os cabelos e os meninos se recusam a ir para a aula, gerando queda em seu rendimento escolar. 


 A otoplastia é a cirurgia indicada para correção das orelhas em abano, sendo realizada em ambiente hospitalar, em centro cirúrgico e sob anestesia local com sedação, não sendo necessária internação pós-operatória. É realizada com uma incisão na região posterior da orelha, a cartilagem e descolada da pele, moldada para confeccionar todas suas pregas e seu excesso é ressecado. A cicatriz fica imperceptível atrás da orelha.


 Poucas cirurgias são tão gratificantes como a otoplastia, tanto para o paciente quanto para a equipe cirúrgica. Os resultados pós-operatórios costumam ser muito bons proporcionando grande elevação na auto-estima do paciente.