Corretiva Nasal

O objetivo da cirurgia é corrigir os defeitos que prejudiquem a função nasal harmonizando a forma e tamanho do nariz com os demais elementos da face, de acordo com os padrões raciais. Devemos enfatizar que visamos um nariz dentro de um contesto de “natural”, devendo evitar ao máximo o aspecto de nariz artificial ou “nariz de plástica”.

 Na cirurgia são manuseadas cerca de 16 estruturas ou tecidos diferentes (pele, osso, cartilagens, nervos, vasos, etc...), por isso podem ocorrer edemas e hematomas na área dos olhos, dos lábios, diminuição da sensibilidade da ponta nasal, obstrução das narinas, tudo em uma condição transitória que se normaliza ao longo do período cicatricial.

 Todos os aspectos e expectativas quanto a resultados devem ser analisados previamente. Realizamos de rotina fotografias em nossa clínica e sugerimos que o paciente as revele, analisando-as em conjunto com familiares, com muita atenção para diferenças e assimetrias entre todos os elementos anatômicos da face. Dentro deste aspecto, aconselhamos os pacientes a observarem outras pessoas para certificarem-se que isto (assimetria) é condição natural e comum.

 Ao voltar a consulta, faremos conjuntamente uma análise detalhada e o respectivo planejamento cirúrgico, onde todas as questões e dúvidas devem ficar devidamente esclarecidas.

 Na estatística mundial, tendo-se em conta cirurgiões experientes e qualificados, há uma percentagem de 15% de “ajustes” por algum ou outro detalhe importante, geralmente de pequena proporção e “fácil” resolução e na maioria das vezes detectado pelo cirurgião. Quando a detectamos propomos a correção, para qual não cobraremos honorários, pois isto a rigor é uma complementação do tratamento. Todavia e por serem imprevisíveis, cabem ao paciente as despesas hospitalares (taxas de centro cirúrgico, material, medicamentos etc...).

 No período pós-operatório, habitualmente não há dor intensa. Se houver, recomenda-se analgésico comum (dipirona ou paracetamol).  Recomenda-se o uso de compressas geladas nos primeiros 3 dias, por 20 minutos a cada duas horas. Utilizar travesseiros altos ao deitar-se e evitar atividades físicas até liberação pelo cirurgião.

 A intensidade e regressão do edema são condições individuais e podem variar de acordo com a complexidade cirúrgica e resposta de cada indivíduo ao procedimento. Usualmente há uma regressão intensa na primeira semana de pós-operatório, estando o nariz em uma condição sociável com 15 dias.

 No final do primeiro mês temos uma regressão intensa do edema, porém o mesmo ainda diminui paulatinamente até aproximadamente um ano após o procedimento.

 Evitamos o uso de óculos no primeiros 3 meses, assim como atividades físicas em academias, prática de esporte, entre outros. A  exposição solar deve ser evitada até que a equimose (roxo) esteja completamente resolvida evitando assim a impregnação da mesma.

 Entre o 6º e 8º dia retira-se o primeiro curativo